Crónica da I Jornada 14/15. Sam Froilam.

Suévia impom-se às Afiadoras num bom segundo tempo.

1A 1ª jornada da Liga Gallaecia tivo lugar em Nadela, no campo dos Torques de Lugoslávia e coincidindo com as festas do Sam Froilám. O primeiro encontro da tarde tivo como contendentes à Suévia F.G e às Afiadoras F.G. que, numha competida primeira metade oferecerom um bo nível ao público do Campo Municipal de Nadela. As compostelás, com um jogo de toque meio e curto impuserom-se no controlo da bola e dominarom com autoridade no relvado nadelao, contando a maioria dos seus ataques como anotaçons de um ponto. Pola sua banda, as Afiadoras com um jogo muito mais vertical, lançavam-se ao contra-ataque naquelas jogadas 3nas que a sua intensa defesa era quem de recuperar a bola. Assim, as ourensás estiverom sempre na peleja, contabilizando os seus contados mas fulgurantes ataques com golos e os consabidos três pontos. A primeira metade rematou com um tanteio de 1-6 (9) 2-0 (6).

No começ2o da segunda metade um golo de três pontos da Suévia anunciou o cambio de tendência; as compostelás tinham maior facilidade para se achegar ao marco afiador. As suevas, com umha marcha mais, graças ao maior número de relevos, converterom-se definitivamente em donas do encontro. As Afiadoras, nom perderom a cara e pelejarom por manter-se perto no marcador ao lograr um tanto que ainda dava algumha esperança ás ourensás 2-6 (12) 2-1 (7). Com o passo dos minutos, a Suévia foi atopando maiores facilidades de anotaçom ante umha 4equipa ourensá sem trocos e já afogada polo esforço realizado. Nos últimos 5 minutos, a Suévia anotaria vários golos mais fazendo medrar a diferença no placar até o definitivo 6-8 (26) 2-2 (8) que nom reflexa a igualdade na primeira metade, mais si a desigualdade na segunda.

 

5

 
 
A vigente campiona perde em Nadela.

13O segundo encontro da 1ª jornada da Liga Gallaecia enfrentou ás Ambilokwoi com Os anfritrións lugoslav@s . Numha competida primeira metade, As viguesas forom muito mais efectiv@s. A posse da bola debateu-se a partes iguais entre o jogo em longo das da ria e umhas Torques que mostrarom certa melhora no jogo a mam. Os viguesas/es mostrarom-se muito efectivos, contando todas as oportunidades como pontos a diferença da equipa local que pese a gerar um maior número de oportunidades nom lograva ter a calma precisa para transformar os pontos. Assim, as locais concederom faltas em posiçons perigosas, 16presentes que foram aproveitados polos pateadores do Ambilokwoi. Assim, a primeira metade rematou com um estranho 0-3 (3) 0-5 (5) em favor das visitantes, quando o marcador poderia ser muito mais elevado de acordo com o jogo e as oportunidades geradas por ambas equipas.

No começo da segunda me12tade as locais mantiverom o bom jogo mostrado, nom se vinherom abaixo polos erros da primeira metade e começarom a transformar os seus ataques em pontos. Alem disso, a defensa local melhorou as prestaçons da primeira metade impondo-se nas bolas longas, desactivando a principal arma dos campións. Ambilokwoi pola sua banda, ressentiu-se do estado de forma de algum dos seus melhores homens e nom mantivo a calma quando se viu superado no marcador polas luguesas. Dous pontos das visitantes ajustarom o marcador com 10 minutos para o final 1-5 (8) 0-7 (7) mais umha jogada indivi18dual local puxo um ponto mais no marcador (9-7) e fixo que o Ambilokwoi tivera que arriscar na procura dum golo. Nesse justo momento umha sucedida contra lugoslava acadaria um golo, somando 3 pontos definitivos que deixariam um 2-6 (12) 0-7 (7) no marcador.

 

19

A Liga Gallaecia no Ponte Louco, imagens

A passada sexta-féira 22 de Agosto, no festival Ponte Louco, que nos acolheu de umha maneira incrível jogou-se o All Star ap-9 vs Interior (a revanche) no que volveu ganhar o combinado ap-9 por 8-6 (30) 4-2 (14).

Temos que felicitar à organizaçom do festival polo grade sucesso do evento e a toda a gente de Castro-Caldelas polo seu estupendo acolhimento.

ponte_louco ponte_louco2 ponte_louco3

Crónica da X Jornada

xjornada

A competiçom mista de futebol gaélico, orgulho entre o desporto de base do nosso país, gravou para a memória dos tempos o nome da Ambílokwoi de Vigo, cujas valentes jogadoras conseguírom erguer o troféu que as acreditava como vencedoras da competiçom após X jornadas de intensa liça desportiva.


No passado sábado, dia 28 de junho, as ondas do mar rompiam com força nas rochas próximas ao campo da rata quando as jogadoras do Torques de Lugo começavam a chegar aos relvados da Torre de Hércules para disputarem o penúltimo jogo da competiçom contra a equipa anfitriá, a Cascarilha.

Um sol orgulhoso aparecia no céu corunhês para banhar de luz um ervado ainda húmido polas chuvas do dia anterior quando o árbitro punha a bola em andamento diante de 22 jogadoras dispostas a um último esforço antes de fecharem a competiçom, embora nengumha das duas tivesse nada em jogo quanto o que diz respeito do posto na classificaçom.

Já com a batalha desportiva em curso, começava disparando a golo a Cascarilha até em 3 ocasions quando, numha jogada de combinaçom e contra-ataque, o Torques chegava até a área defendida pola equipa da Corunha para empurrar a bola até o fundo das redes. Após este primeiro golo, fôrom chegando a cada vez mais internadas lucenses que, com um jogo técnico e limpo, figérom gala da efetividade que caracteriza à equipa das muralhas ao tempo que umha sólida defesa impedia a materializaçom das jogadas que protagonizava a Cascarilha.

Terminava assim o primeiro tempo com um resultado de 17 a 1 dando passo a umha segunda parte em que as jogadoras do Cascarilha iriam ganhando espaço e chegadas até a área lucense num jogo de máxima beleza desportiva que terminaria com um marcador de 11 a 8 favorável à equipa de Lugo.

O árbitro apitava o final do jogo e anotava o resultado final de Torques 28, Cascarilha 8.

 Abraços e sorrisos aparecérom no terreno de jogo mostrando a camaradagem que representa esta competiçom para darem passo agora ao decisivo encontro que mediria as forças das Afiadoras e da Ambílokwoi, que chegava à Corunha com opçons de ganhar a liga.

A Suévia, que nom jogava nesta jornada, era a líder da competiçom com umha vitória e um jogo mais do que a equipa de Vigo. É por isto que a equipa da ria precisava ganhar para empatar a pontos no topo da classificaçom e melhorar a diferença de golos no cômputo geral para erguer o troféu.

A calor apertava ainda mais quando o relógio marcava as 17h00 e as jogadoras de Ourense e Vigo desenhavam sobre o campo de jogo diferentes estratégias posicionais.

A bola era lançada ao céu e o cronómetro era posto em andamento para medir o último jogo desta liga.

Durante os primeiros minutos as ocasions chegavam de um e outro lado sem que nengumha das duas equipas consegui-se inaugurar o marcador até que Vigo, provavelmente a equipa mais física da competiçom, abria a conta para ir, a cada novo golo, arranhando um pouco mais o troféu.

A oposiçom das afiadoras foi intensa durante todo o encontro materializando jogadas e golos de alta qualidade porém, as jogadoras da Ambílokwoi conseguiam que o resultado final se decantasse a favor da equipa olívica com um 14-10 (52), 5-5 (20).

Passavam uns minutos das 18h00 quando o árbitro apitava o fim do último dos jogos desta já histórica primeira competiçom mista e as jogadoras de Vigo começavam a celebrar o título conseguido arroupadas polos aplausos da Cascarilha, Afiadoras, Torques, representantes da Suévia e todas as entusiastas seguidoras Cascarilheiras.

 Numha última jornada de enfarto, e a razom deste resultado, a Suévia terminaria empatada a pontos e subcampiá da Liga, seguida dos Torques, Afiadoras e Cascarilha.

Houvo tempo para celebraçons e companheirismo nos campos da torre enquanto a rua Marconi anunciava a festa desde o Centro Social Gomes Gaioso que abria as portas para ir recebendo às jogadoras e simpatizantes das equipas nos já conhecidos terceiros tempos.

Música, petiscos com alternativas veganas, festa e um espetáculo de Isabel Risco dêrom início a umha alegre jornada em que Vigo conseguiu gravar o nome das suas jogadoras como primeiras vencedoras desta competiçom que punha o ponto final a um primeiro ano de alegrias e reconhecimentos sociais.

A madrugada apareceu e os repórters deste meio deixamos às protagonistas do jogo desfrutarem da festa e do convívio aproveitando estas linhas agora para darmos os parabéns à equipa ganhadora e despedimos a competiçom até a próxima ediçom com o desejo de que novas equipas continuem nutrindo de camaradagem e desporto de base o território nacional galego.

Avante com a Liga Gallaecia.

Crónica do Diário Liberdade

Crónica da VIII Jornada

VIIIjornada

A cidade da Corunha, vestida de vento enfurecido, acolheu no passado sábado a VIII jornada da Liga Gallaecia, sendo esta a primeira vez em que a competiçom regular visitava a cidade de Breogám. Atendendo a um novo aviso do calendário desportivo, num espaço de beleza inigualável: os campos da Torre de Hércules que som banhados polo oceano Atlântico e sob a olhada curiosa do farol romano em funcionamento mais antigo do mundo, concentrárom-se as jogadoras de Suévia, Torques, Ambílokwoi e às da anfitriá Cascarilha Futebol Gaélico.

As 17h00, um sol renidente enchia o campo de luz enquanto o vento -que atingiu rajadas de vento de até 70 quilómetros/hora- terminaria por condicionar os jogos disputados.

Diante da antiga prisom e a poucos metros do campo da rata, triste cenário em que fôrom assassinadas mais de 200 pessoas pela barbárie fascista entre os anos 1936 e 1939, a Suévia de Compostela e os Torques de Lugo seriam os primeiros combinados a medirem forças.

Seria este um encontro desportivo nom apto para os coraçons mais delicados devido a que ambas equipas disputavam o primeiro posto.

Com pontualidade máxima, o árbitro lançava a bola para o ar e começava o jogo. Com vento a favor, a Suévia seria a principal dominadora do primeiro tempo disputado, porém, o relógio advertia da necessidade de descanso e, após o troco de lado entre as equipas, os Torques iriam aos poucos remontando um jogo que, finalmente, viraria para o lado da equipa de Compostela.

Assim, no último minuto a Suévia materializava um golo que deixava o marcador final: Suévia 1-12(15) – 3-5(14) Torques. Emoçom até o último minuto numa liça marcada pola camaradagem dos dous conjuntos.

Terminado o primeiro encontro, e com o sol convidando à chuva a se deixar cair pelo relvado, era tempo de enfrentar no campo às equipas da Corunha, que jogava em casa acompanhada de um público entregado que animou às jogadoras com cânticos durante todo o encontro, e de Vigo.

Se o primeiro jogo poderia ter sido qualificado de altamente técnico, este choque tivo um cariz mais físico, com maior contacto entre as jogadoras.

Novamente a bola era posta em andamento e a equipa da Corunha, com vento a favor, chegava em várias ocasions até a baliza defendida polo guarda-redes viguês encontrando nele um muro impenetrável que só permitiria a entrada de dous tantos durante os primeiros trinta minutos. Do outro lado, as jogadoras da Ambílokwoi conseguiam materializar 10 tantos. Um resultado que talvez negue o equilíbrio que durante o primeiro tempo tivo o encontro.

Já na segunda parte, e com o vento empurrando à equipa da ria de Vigo –que poderá lembrar o carinho da torcida corunhesa, aplaudindo e reconhecendo os esforços da equipa rival em cada jogada- chegaria uma chuva de golos na baliza defendida pola equipa local que terminaria por romper o encontro.

O guarda-redes viguês, talvez o jogador mais destacado do encontro, após ter brilhado no primeiro tempo pelo jogo com as maos, destacaria no segundo período como excelente tirador de faltas, saques de banda etc, sendo um dos principais responsáveis do avultado resultado final, que terminaria Cascarilha 2-3 (6), 10-11 (41) Ambílokwoi.

No fim do jogo, com a tradicional camaradagem que vem caracterizando cada umha das jornadas desta competiçom, as jogadoras das quatro equipas juntárom-se em efusivos abraços para, a seguir, continuarem a festa no Centro Social Gomes Gaioso -lotado até os topes- que recompensou o esforço das quatro equipas com música, bebida e uma ingente variedade de petiscos, também com opçons para vegan@s.

Com apenas duas jornadas por diante, fica nas maos da Suévia poder conseguir o campeonato na próxima jornada, porém, as equipas de Vigo e Lugo, também candidatas, nom baixam os braços esperando um tropeço no caminho por parte da equipa líder.

 Após a jornada disputada na Corunha, a Liga Gallaecia fica assim:

1º – Suévia – 11 pontos

2º – Ambílokwoi – 9 pontos

3º – Torques – 8 pontos

4º – Afiadoras – 4 pontos

5º – Cascarilha – 0 pontos

Crónica do Diário Liberdade

Crónica da V Jornada

VJornada

A liga gallaecia chegava à metade da competiçom e nom podia haver melhor lugar para a cita que o entruido ourensano.

As primeiras em saltar ao relvado da Sapateira fôrom as equipas da
Ambílokwoi de Vigo e Torques de Lugoslávia de Lugo. En jogo estava a liderança da competiçom e o título honorífico do campeonato de inverno.

O encontro começou com domínio territorial para Ambílokwoi, que rápido conseguírompontos que abrírom umha pequena fenda no placar. Com a passagem dos minutos Torques ficou a sobrepor-se e gozou de numerosas ocasions para marcar, porém nom conseguiu evitarchegar ao intervalo com umha desvantagem de 7 pontos a 2.

Na segunda metade as duas equipas mostrárom o seu potencial desportivo, vivêrom-se momentos de jogo de um nível extraordinário e muito igualado. Torques tivo nesses momentos a possibilidade de recuperar-se nas suas maos, depois de um intercámbio de pontos Torques aproveitou o unico erro defensivo do rival no jogo para fazer golo e colocar-se a dous pontos no placar. Com o recordo da ter ultrapassado a Suévia e um maior “fundo de armário” do que o seu rival apoderárom-se da bola e fôrom pola vitória chegando a estrelar umha bola no pau que pudo ser decisivo, mas as de Vigo, mostrando o futebol direto que as carateriza, soubêrom aproveitar os espaços de umhas linhas rivais mais adiantadas para matar o jogo e impor-se por 15 a 6 e passar a liderar a classificaçom pola primeira vez na temporada.

O segundo jogo da tarde enfrentava a equipa anfitriá das Afiadoras com a equipa compostelana da Suévia. O choque previa-se tenso e igualado já que por um lado as Afiadoras pretendiam ultrapassar a Suévia e afastar-se na classificaçom e deixar atrás a equipa corunhesa da Cascarilha e por outro a Suévia, umha das equipas favoritas tentava aproveitar a derrota do líder para meter-se outra vez em cheio na luita polo título.

Após o apito inicial a suévia saiu com mais força e passo a passo abriu distáncias no marcador.

Afiadoras mantinham a desputa da bola nivelada mas irremediavelmente os pontos caían do lado da Suévia que chegou ao intervalo com umha vantagem cómoda.

A seguir a reanudaçom as de compostela nom caírom em erros passados e mantivêrom em todo o tempo a intensidade no seu jogo, foi assim que lográrom aumentar a sua vantagem. No entanto as Afiadoras nom se vinhéron abaixo e mostrárom o seu orgulho ao pelejarem cada palmo do relvado e chegar a dominar o jogo nos momentos finais. Este domínio transformou-se em tantos, graças ao seu amplo plantel, e pugérom em certos apuros a equipa rival que a estas alturas andava mais justa de forças.

Apesar disso a Suévia soubo marcar os tempos do jogo e logrou finalmente a vitória por 7 a 16.

Para finalizar enquadrou-se o fecho da jornada num terceiro tempo fabuloso pola zona velha de Ourense que se prolongou na noite para goze das participantes.

A próxima jornada será no dia 15 de março em Compostela e enfrentará Cascarilha com Suévia e Afiadoras contra Torques.

Crónica da IV Jornada

 O futebol gaélico achegou-se a Mós para a disputa da IV jornada da Liga Gallaecia.
As primeiras em saltar ao Cerqueirás Area forom as Ambílokwoi e a equipa ourensá das Afiadoras.  Depois do amigável disputado um mês atrás na Taça Cancelinhas que rematou com umha mínima vantagem para as de Vigo previa-se um jogo mui igualado.

  No entanto algumhas baixas importantes na equipa das Afiadoras e a linha ascendente que vem amossando o jogo da equipa local fixo que o encontro se desequilibrara desde os primeiros minutos graças a dous golos da Ambílokwoi. Afiadoras soubo aguentar o tipo, conseguiu o ponto da honra já na primeira parte e nom permitiu que o rival se escapara excessivamente no marcador até os minutos finais quando o Ambilokwoi aproveitou a sua superioridade física por mor das numerosas rotaçons das que dispunha para ampliar o taboleiro até o (6­11)29 ­ 1(0­1).

   No segundo jogo enfrentavam-se o líder Torques de Lugoslávia com a Cascarilha da Corunha.  Torques demonstrou desde o inicio por que é o dominador da liga: fortaleza defensiva, um meio campo de amplo percorrido e sobre todo muita pegada quando pisa campo contrário.

  A equipa da Cascarilha pola sua parte amossou a sua melhor face no que vai de temporada, com algumhas fases de domínio do  jogo e boas combinaçons tanto no jogo curto a mao como com o pé a longa distancia. Ainda que acabou pagando a sua escassa efetividade de cara a meta contrária.
O marcador final foi um claro Torques 28 (5­13) Cascarilha 4 (1­1) que deixa ao Torques como líder sólido que conta os seu jogos por vitórias e a umha cascarilha com boa projeçom de cara aos próximos jogos.

Para o terceiro tempo as equipas participantes deslocarom-se até Bembrive onde o furancho do faísca foi a primeira parada da gira furancheira polo S. Brais que regou com vinho esta fase de convivência inerente ao jogo.

Crónica da III Jornada

III Jornada

Às 12h botava a andar o primeiro encontro entre o Cascarilha FG da Corunha e o Ambílokwoi de Vigo. A equipa da cidade herculina chegava com muitas dúvidas devido ao seu mal começo na Liga, mentras que a equipa viguesa partía coma favorita depois de lograr empatar no seu debut em Maceda contra a Suêvia. Mas o encontro foi muito igualado na primeira metade chegando ao descanso com vitória do Cascarilha por dous pontos em um encontro mui sério por parte da gente da Corunha, na segunda metade o Ambílokwoi impujo um ritmo muito intenso sendo superiores fisicamente aos seus rivais, sem trocos para o encontro. O conjunto do Sul do País conseguiu remontar graças a umha chuva de lançamentos desde meia distanância que deixou o resultado final em Cascarilha 2-01 (7) – 2-09 (15) Ambílokwoi.

Ao rematar o encontro que dava inicio à jornada começava o Torques de Lugoslavia – Suévia, no que se jogavam o liderado da Liga. O encontro começou com um jogo pouco intenso, sobre todo por parte da equipa local, e umha superioridade clara por parte da Suévia quem jogava a bola no meio campo sem problemas e chegava com muitos efetivos à linha de 20 metros, assi pois ao finalizar a primeira metade o resultado era 1-10 a prol da equipa compostelana. Mas na segunda metade todo foi distinto, o nível de intensidade do jogo subiu muito e a Suévia viu-se incapaz de reacionar ante uns Torques que jogarom umha segunda metade muito intensa em defesa e mui acertada em ataque o que fixo que a Suévia, relaxada de mais tralo descanso, desperdiciasse a renda que tinha no descanso para acabar com o seguinte resultado Torques 4-04 (16) – 3-05 (14) Suévia.

Tralos encontros as equipas despraçaron-se à carpa que tinha montada Siareir@s Galeg@s para “desputar” o terceiro tempo num ambiente de confraternizaçom e convívio desfrutando das numerosas atividades programadas o resto do dia.

O Torques depois desta jornada situase coma líder da Liga Gallaecia mentras se prepara todo para o próximo 1 de fevereiro em Vigo, onde tomarám parte as Afiadoras de Ourense e descansará a Suévia